Clodovil, o pioneiro da alta costura brasileira

Clodovil, o pioneiro da alta costura brasileira

Letícia Ribeiro

Olhe para a lente da verdade e me diga… Você conhece algum estilista/apresentador/político com mais personalidade que Clodovil?

Clodovil ganhou notoriedade como costureiro e foi um dos principais estilistas brasileiros. Começou sua carreira nos anos 50, desenhando modelos para varias casas de moda. Nessa época, ainda não existia o conceito de prêt-à-porter por aqui, apenas ateliês onde se criavam roupas exclusivas e sob medida.

Ficou famoso na década de 60 graças a uma suposta rivalidade com Dener, com quem dividia a preferência das mulheres da elite brasileira. Foi o mais ousado da alta costura brasileira. Acrescentou irreverência, bom humor e um pouco de brasilidade ao criar uma coleção onde as modelos vestiam saias de tafetá coloridas e camisetas justas estampadas com os símbolos dos times de futebol. Clodovil sabia como criar os longos bordados com flores sobre musselines e crepes pretos, tailleurs debruados de passamanarias de seda. Nos tempos áureos, tinha um ateliê de alta costura em São Paulo, na Oscar Freire e sua modelo preferida era Elke Maravilha – que aparece nas fotos que ilustram o post. Vestiu mulheres de variadas origens sociais, desde artistas, como Elis Regina e Cacilda Becker, a empresárias, como Hebe Alves [antiga proprietária das lojas Mappin] as famílias Diniz e Matarazzo.

Com a evolução da moda e a chegada das grifes estrangeiras, Clodovil, para competir com nomes como Pierre Cardin e Yves Saint-Laurent, fez uma coleção em verde e amarelo com seu nome estampado mas não teve sucesso. Tentou se adaptar e fez ate jeans mas não deu certo. Frustrado, resolveu seguir carreira na televisão.

E então, na década de 80 começa a fase do que, hoje, mais lembra o Clodovil: apresentador de TV. Seu primeiro programa foi na Globo, o TV Mulher, ao lado de Marília Gabriela e Marta Suplicy, era um dos apresentadores do programa que falava de comportamento feminino. Ele desenhava croquis e dava dicas de moda sem deixar de fazer comentários ácidos sobre as personalidades do momento. O que ocasionou problemas de relacionamento com suas colegas e acabou pedindo demissão no ar. Depois, passou pela rede Manchete, TV Gazeta e Rede TV! e TV JB, sempre gerando polêmica.

Sua mais recente fase, que durou 3 anos, foi na política, foi o terceiro deputado federal mais votados de São Paulo. Tomou posse vestido à moda antiga, inspirado nos senhores de engenho da era colonial, de terno creme, sapato marrom e branco, chapéu e bengala. Gastou quase R$200 mil do próprio bolso reformando seu gabinete e dizia que só sabia viver no meio da beleza. Entre as peças de decoração, uma escultura de cobra naja, sustentando a mesa de despachos batizada pelo próprio Clodovil de Marta.

Clodovil não tinha papas na língua e era, acima de tudo, verdadeiro. E foi justamente sua liberdade de expressão aliada a sua ousadia, que fizeram sua existência ser marcante na moda brasileira!

*Letícia é formada em Publicidade e Jornalismo pela PUC, ama moda desde pequena e é dona do blog Canal da Moda. O encontro com À Moda da Casa foi por conta do Fashion Rio , onde trabalhou conosco e além da correria fashion, ela divide seu tempo em ser mãe da Olívia.